SOBRE O DOCUMENTÁRIO

O webdocumentário "Depois de Lorenzo" foi feito com o objetivo de servir como uma forma de divulgação da adrenoleucodistrofia. A ideia para realização desse trabalho surgiu ao visualizar a luta diária de mães com seus filhos. Essa luta que era sofrida em alguns momentos, mas também muito alegre em outros. A busca por uma divulgação com caráter sério e jornalístico também é uma luta importante, já que o diagnóstico precoce é essencial nessa doença. Sendo assim, resolvi utilizar o tempo destinado ao meu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) para buscar histórias de pessoas que convivem com isso e também explicar, de uma maneira simples e completa, o que é essa palavra complicada de falar "adrenoleucodistrofia".

Textos: Plínio Lopes
Filmagens: Plínio Lopes, Arthur Henrique, João Heim e Sofia Figueiredo.
Fotografias: Plínio Lopes
Programação: Daiane Lohse e Plínio Lopes
Identidade visual: Cristianne Kamimoto
Profissionais entrevistados: Salmo Raskin, Mara Lúcia Schmitz, Ana Claudia Pereira e Devanir Santos
Personagens entrevistados: Leandro Galuski; Patrícia Studart, Henrique Studart e Carlos Studart; Rejane Luz; Linda Franco; Laura Pinheiro; Eduardo Berbigier.

Em memória de João Henrique Fuerst, Gabriel Franco, Ivana Sheila da Silveira e Idê Rocha da Silveira.

Em homenagem a Ana Claudia Pereira e Cesar Luiz da Silva Pereira.

Resenha do filme "Óleo de Lorenzo", por Arthur Schiochet

Lançado em 1992, o filme conta a história de Lorenzo Odone (Zack O'Malley Greenburg), um garoto de 6 anos que vivia uma vida comum até que começou a ter problemas decorrentes dos sintomas da Adrenoleucodistrofia (inserir link explicando a doença). Seus pais então seguem uma busca incessante após as constantes falhas dos médicos em tratarem da doença.

O ponto mais alto do filme é o detalhamento tocante do avanço da doença, com uma progressão de tempo muito bem sucedida em função de um grande trabalho na montagem, que faz com que o tempo transcorra de maneira muito crível, de maneira que acentua o impacto de cada nova fase da doença. Um dos momentos mais dramáticos do filme é quando Lorenzo começa a ter problemas na fala, algo que os pais não sabem como reagir.

O grande destaque nas atuações está nos pais Augusto (Nick Nolte) e Michaela Odone (Susan Sarandon), que recebeu uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz pelo trabalho no filme. A sensação de ver um filho com uma doença sem cura, talvez uma das piores notícias que os pais podem receber. Ademais disso a busca pela cura em métodos alternativos traz uma dose extra de tensão ao filme, se eles irão conseguir achar uma cura.

O filme é dirigido por George Miller, conhecido por ser diretor da franquia “Mad Max”, de tom totalmente diferente a esse filme. Se a saga de Max é reconhecida como um dos maiores clássicos de ação do cinema, “O Óleo de Lorenzo” é diametralmente o oposto, um filme tocante e de grande sensibilidade, sendo a peça cultural mais importante na divulgação da adrenoleucodistrofia, com um trabalho de conscientização da doença.

O maior problema do filme talvez seja o final, onde a descoberta do óleo dá a impressão que é a cura definitiva da doença, mas é apenas uma forma de diminuir o risco de desenvolvimento da ADL, mas não é a solução definitiva. Lorenzo Odone faleceu no dia 31 de maio de 2008, um dia após completar 30 anos, devido a uma pneumonia.

Plínio
  • Plínio Luís Pereira Lopes
  • Estudante de jornalismo e responsável pelo conteúdo deste site.
  • Contato: depoisdelorenzo@gmail.com